Diego F. Souza
Mestre em Psicologia
contato@diegofsouza.com
Por muitos anos a ideia de buscar auxílio em um profissional da psicologia foi visto por algo como exclusivamente feminino. De certa forma, é como se fosse característico das mulheres buscar alguém para “conversar sobre as mazelas da vida”.
Entretanto, esta não é uma crença que simplesmente brotou em nossa cultura e que reflete a realidade. Os homens têm sofrido cada vez mais e precisamos discutir um pouco mais sobre este sofrimento.
Homem não chora?

Desde muito novos somos bombardeados por várias afirmações que criam o modelo ideal de como ser homem. Algumas características parecem permear nossa realidade, descrevendo o homem como uma pessoa que “não chora”, não perde tempo falando de sentimentos ou discutindo a relação. O típico “machão” que tem que aprender a se virar, independente da situação.
Veja, por exemplo, o vídeo abaixo da bela tentativa de uma criança tentando acalmar o irmão:
https://www.youtube.com/watch?v=DFeF0aaetV8
Outras situações também trazem problemas, principalmente quando vamos para o mundo dos relacionamentos amorosos. Problemas ligados a forma e necessidade de “discutir a relação”, disfunções sexuais, falta de habilidade para lidar com assuntos “delicados” e vários aspectos de uma vida a dois que, segundo a cultura, um homem de verdade não tem que se preocupar. Tudo isso pode gerar sofrimento, ainda que alguns aspectos culturais afirmem o contrário.
Todas estas informações vão moldando a forma como agimos diante das situações. Em uma situação de sofrimento, por exemplo, um homem pode optar por ficar quieto e não buscar qualquer tipo de ajuda, uma vez que homem “não tem dessas coisas” e o homem que fica assim “é fresco”.
Os homens estão sofrendo
Recentemente uma matéria relatou como os homens estão lutando para lidar com a vida. Mas afinal, de onde vem o sofrimento?
Normalmente, sofremos quando o ambiente apresenta mais problemas e dificuldades do que temos habilidades para lidar. É como se existisse uma balança: de um lado as situações difíceis e/ou problemáticas e do outro as habilidades. Quando problemas e habilidades estão equilibrados, dificilmente sofremos. Mas quando temos esta balança pendendo para as situações problemáticas e/ou difíceis, o sofrimento costuma aparecer.
Mas é importante que fique claro que o sofrimento em si não é um problema. É a forma de lidar com este sofrimento que pode ser mais ou menos adequada e gerar bons ou maus resultados. A pesquisa realizada pela ONG CALM (Campaign Against Living Miserably) demonstrou alguns dados preocupantes:
  • 78% dos casos de suicídio na faixa etária de 20 a 49 anos, no Reino Unido, são de pessoas do sexo masculino.
  • Este número tem aumentado entre os homens e declinado entre as mulheres.
  • 74% das mulheres relataram buscar ajuda diante do sofrimento e apenas 53% dos homens o fizeram.
  • 69% preferiram lidar com seus problemas por si só.
  • 42% dos participantes do sexo masculino disseram acreditar que o homem é o “maior responsável” por ser emocionalmente forte em situações críticas, opinião compartilhada por cerca de 17% das mulheres.
A reportagem completa pode ser vista aqui, mas algo fica claro: o mundo parece estar exigindo mais do que os homens estão conseguindo lidar. Some a isto o fato de que muitos homens não sabem como procurar ajuda e, mais importante, não sabem que podem procurar ajuda.
Psicoterapia é coisa de homem
Apesar de o folclore popular afirmar que a psicoterapia é um lugar para “reclamar da vida” isto não é realidade. Se a única função da psicoterapia fosse “reclamar da vida”, as diversas redes sociais já teriam feito com que a profissão de psicólogo (a) fosse extinta.
Buscar ajuda em outras pessoas (amigos, família, profissionais, etc.) é algo saudável e que pode ser necessário em alguns momentos da vida. A psicoterapia é um processo através do qual você se permite analisar as situações pelas quais tem passado através de outras perspectivas, buscando achar soluções e novas formas de lidar com os problemas que a vida tem lhe apresentado. É uma busca constante pelo seu bem-estar!
Para muitos homens, o simples fato de sentar e conversar sobre os seus problemas com alguém que não vai usar isto contra ele ou que não vai julgá-lo menos homem por estar falando sobre seus problemas já pode significar um grande alívio!
Além disso, a psicoterapia é um espaço para fazer o que vários homens afirmam que gostam de fazer:enfrentar o problema de frente.
Sendo assim, se a situação começar a ficar difícil, seja um homem esperto: busque ajuda!
Psicoterapia é coisa de homem